beatriz @ 21:53

9/9/15

Do que mais me custa o pior é ainda lembrar demais de ti e do que fomos, do que mais me custa é a tua irmã a falar comigo e a falar nas minhas sempre sobrinhas o quanto elas têm saudades minhas, é ela vir falar a perguntar como estou e a minha vontade de dizer "sinto a falta dele, tanto mas tanto mas sou a única" mas não em vez disso respondo "estou bem e vocês?" odeio mentir e muito menos a ela, adoro-a já de coração, já estava tão habituada a ouvir ela a dizer-me "tens que deixar de arrumar a cozinha, ele é que tem de o fazer", agora nem a ela oiço nem a ti. Sabes o quanto magoa ver aquilo tudo e conhecer-te tão bem ao ponto de sem dizerem, saber que estão juntos? porra conheço-te tão bem e odeio isso. Era só pra ser uma coisinha disse eu no inicio, era só pra ser isso e agora eu fiquei tão apaixonada e tu foste embora com a desculpa de não dá, mas nunca a negar que gostavas ainda. Porra apetece-me beijar-te mas em vez disso, vou afastando a minha boca todas as noites de quem eu sei que podia fazer-me tão feliz. Mas lá está, não vale a pena beijar uma boca imaginando o sabor de outra.... Desculpa a falta de pontuação mas nem lembrei disso ao falar de ti....




beatriz @ 15:48

27/6/15

Por mais que não queira, todos os dias eu penso "será que ele sente a minha falta, que pensa em mim?" ou então "será que ele está com outro alguém, às escondidas, como teve comigo por tanto tempo?" não quero pensar que ficas bem sem mim, não depois de tudo aquilo que nos deixou ligados....




beatriz @ 14:55

23/6/15

Sempre ouvi dizer que um relacionamento é construído por duas pessoas, como querias que funcionasse? Ah pois, pensaste que ele já estava construído. Esse foi o teu maior erro. E teres-me como (sempre) tua. As coisas não funcionam assim, não é conquistas e deixar para lá. Avisei-te tantas e tantas vezes, e o que me dizias tu? "Não preciso, tu já és minha". Agora não sou mais e diz-me se gostas dessa sensação. Do sentimento de perda. Eu era tudo para ti, eu sei que era. O que tens agora? Nada, não tens nada, mas é isso que mereces. Não há nada melhor que perder para dar valor, e talvez fosse essa a maneira de tu aprenderes. Mas tu não vais aprender. Prometeste isso da última vez, fizeste parecer que teríamos um conto de fadas, exatamente como os dos livros, e no fim, acabamos da mesma forma. Podes dizer que lutaste, sim, quando tudo estava perdido tu lutaste. Devo dizer-te que foste mais que atrasado. Eu teria ido atrás se não te conhecesse, se não soubesse que todo esse empenho só se manteria enquanto estávamos mal e que depois se ia novamente. Mas eu conheço-te de cor, da pontas dos cabelos até à ponta dos pés. Sei mais de ti do que mim própria, e isso não te ajudou desta vez. Acho que podíamos estar tão bem, a preparar o nosso dia, mas estamos um para cada lado. Eu tenho muito medo de acordar amanhã e ter uma mensagem tua. Tenho medo que me apanhes num momento frágil e que queira voltar, porque eu não posso. Porquê? Seria muito mau para nós. Por cada dia que passa guardámos mais e mais ressentimentos, coisas por dizer, indiretas por mandar, e isso não iria ajudar a que ficássemos bem. Mas por outro lado, tem um bichinho cá dentro que quer que mandes, que mostres que isto não te está a passar ao lado e para que eu possa não responder e sentir-me bem. Sentir que não é só a mim que este assunto atravessa a cabeça todas as noites antes de adormecer. E não é. E eu sei que mais tarde ou mais cedo tu vais dar parte fraca, tu não vives sem mim. Eu.. Bem, eu vou fazer muitas figas para que quando esse dia chegar não me apanhes num momento de fraqueza, porque eu não vou voltar, não vou. 




beatriz @ 23:45

4/2/15

DSC09437.JPG

200513